Aumento no preço do cimento é levado até Governo Federal

27/08/2020

A observação foi feita pelo Sincaf, que levou a questão até o deputado Miguel Lombardi

Nos últimos meses, o Sindicato Patronal das Indústrias da Construção de Limeira (Sincaf) tem observado um aumento significativo no aumento do preço do cimento. Com a pandemia da COVID-19, as indústrias prognosticaram que haveria redução na demanda do material e reduziram a sua produção, com o desligamento de fornos, redução da jornada de trabalho, entre outras medidas que impactaram na quantia do material no mercado.

No entanto, ao contrário do que se esperava, a demanda por cimento no Brasil cresceu durante a quarentena. “Com a permanência em casa de muitas pessoas, estas viram-se na oportunidade de fazer reparos e reformas, o que aumentou bastante o consumo não só do cimento mas de outros materiais, especialmente tintas e complementos e materiais elétricos e hidráulicos”, aponta o presidente do Sincaf, Renato Hachich Maluf, que também é conselheiro da ACIL.

Mas o problema, segundo ele, tem sido o preço de venda de tais materiais, que tiveram um aumento muito grande. “Claro que é função primordial a qualquer empresário obter lucro em seus negócios, porém julgo abusivos alguns aumentos. O cimento, por exemplo, foi majorado em 37% nos últimos 75 dias”, aponta.

Este aumento nos valores tem grande impacto nas construtoras que, muitas das vezes, iniciam uma obra com valor fixo, fechado em contrato. Se o aumento do preço de compra dos materiais é elevado acima do orçamento, o prejuízo precisa ser absorvido pela empresa.

“Os mais afetados serão os consumidores finais e provavelmente os trabalhadores da construção já que, se realmente houver paralização de algumas obras por conta de tais preços, serão desligados de seus trabalhos”, ressalta Maluf. Segundo ele, a reversão dessa situação somente haverá com a retomada da produção e maior oferta de produtos, ou se o Governo Federal intervir de maneira a reduzir impostos que incidem sobre a produção e comercialização para equilibrar essa demanda.

Ofícios protocolados

Preocupados com a consequência que tais preços possam refletir na continuidade de obras, e consequentemente com a economia e sustento de empregos, o Sincaf pediu auxílio ao deputado limeirense Miguel Lombardi, para que este intervisse na comunicação com o Governo Federal.

Sendo assim, o deputado protocolou dois ofícios: um direcionado ao Ministro da Economia Paulo Guedes, e outro ao Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. Em ambos foram levantadas as observações feitas pelo Sindicato, e solicitado atenção sobre tais questões para que logo seja reestabelecida a normalidade do setor.

tags: Crise-cimento, Sincaf, Oficio, Crise, Pandemia, COVID-19